Transtorno Obsessivo-Compulsivo (T.O.C.)

tocO Transtorno Obsessivo-Compulsivo, se caracteriza pela combinação de obsessões e compulsões. As obsessões são pensamentos repetitivos, desagradáveis, muitas vezes contrários à índole do paciente. Por exemplo: Uma pessoa honesta tendo pensamentos de roubo; uma pessoa religiosa tendo pensamentos pecaminosos ou de sacrilégios.

Observam-se com relativa frequência pensamentos de perigo, ameaça ou até mesmo de morte relacionados a entes queridos do paciente ou ao próprio. Tais pensamentos causam muita ansiedade e sofrimento à pessoa, que, embora tenha consciência “do absurdo” que tais pensamentos possam representar não consegue controlá-los – daí surgirem rituais, gestos, ações ou mesmo outro pensamento (“ato mental” ou “pensamento mágico”) a fim de neutralizarem o pensamento obsessivo.

Os rituais, gestos ou ações são as compulsões, as quais surgem para evitar ou atenuar as tensões provocadas pelo pensamento obsessivo (por exemplo: um filho sempre que vê o pai saindo para trabalhar imagina que o mesmo será morto. Assim, realiza certos gestos, palavras ou orações repetidas vezes para não sentir-se “participando” ou culpado pela morte do pai).

As compulsões podem ser secundárias ao pensamento obsessivo, mas nem sempre isso acontece. Geralmente o portador de TOC apresenta pensamento obsessivo e compulsão, mas também ocorrem sintomas predominantemente obsessivos ou predominantemente compulsivos.

Os sintomas obsessivos mais comuns são:

-  Medo de contaminar-se  (por sujeira, germes, etc…).

- Pensamento sexual intrusivo.

-  Imaginar-se perdendo o controle,  ferindo ou até mesmo assassinando outrem.

Os sintomas compulsivos mais comuns são:

-  Lavar as mãos repetidas vezes para se descontaminar.

- Verificar e reverificar se portas e janelas estão trancadas, se o gás está desligado, etc.

-  Repetir determinados gestos (inventados pela própria pessoa).toc2

- Ordenar objetos segundo um determinado critério (ex.: camisas da mesma cor ficam próximas dentro do armário).

- Rezar.

O tratamento do TOC é feito através de psicoterapia ou antidepressivos, embora haja atualmente evidência de que a combinação dos dois seja mais eficaz que qualquer um dos dois isoladamente.